Professores relatam experiência no Concurso Teatral Água Para Sempre

Conversa aberta com os jurados aconteceu nesta sexta-feira

O envolvimento da comunidade escolar em torno das peças, o trabalho duro nos preparativos para a apresentação e a interação com cada estudante foram algumas das histórias relatadas pelos professores participantes do Concurso Teatral Água Para Sempre, que neste ano completa dez anos.

Em uma conversa aberta e descontraída com os jurados da competição, os mestres tiveram a oportunidade de falar sobre o processo de produção das peças teatrais e compartilhar as experiências vividas nos bastidores.

As escolas municipais Anaburgo, Curt Alvino Monich, Padre Valente Simioni, Professora Virgínia Soares, Orestes Guimarães, Governador Pedro Ivo Campos, Saul Sant’Anna de Oliveira Dias, Professora Elizabeth Von Dreifuss e Enfermeira Hilda Anna Krisch estiveram presentes na conversa. Os professores que abraçaram a ideia do Concurso, e motivaram os estudantes a se envolverem também, competiram na categoria C, do 6º ao 9º ano.

Dos novatos aos mais experientes, o protagonismo dos alunos e a mobilização da escola foram fundamentais para a elaboração dos projetos que resultaram na apresentação dos espetáculos.

A primeira experiência da professora Silvana da Silva com o Concurso Teatral Água Para Sempre renderá bons frutos à comunidade da Estrada Anaburgo. É o que acredita a educadora física, que já disse que pretende participar novamente no ano que vem. “O mais interessante é que agora podemos levar a peça à comunidade para transmitir o conhecimento e a experiência vivenciada pelos estudantes. Isso vai muito além da apresentação do Concurso”, afirma.

Estreante na competição, a Escola Municipal Anaburgo, na qual Silvana leciona, competiu na categoria C (6º ao 9º ano). Do cenário ao figurino, a sustentabilidade foi aplicada durante todo o processo de produção, segundo a educadora. “Os estudantes levaram isso bem a sério. Tivemos quase nada de custos com o teatro, reaproveitamos muita coisa”, lembra.

A professora também explica que a criação dos enredos ocorreu de acordo com a vontade dos próprios estudantes. Os animais encenados em pé e um diálogo mais maduro na abordagem do tema refletiram essa escolha. “Eles não queriam fazer nada infantil, foi tudo muito criação deles.”

Veterana no Concurso, com participação assídua desde 2007, a Escola Municipal Governador Pedro Ivo Campos já conquistou o segundo e o terceiro lugar em outras edições. Nas participações, a união entre a arte e o conhecimento transmitido na sala de aula foi uma experiência transformadora para os alunos, de acordo com as professoras Luzia Riba Hammes e Silvana Teresinha Gomes, que coordenaram a peça.

Até os estudantes mais hiperativos, e ditos bagunceiros, surpreenderam no desenvolvimento da peça. “Acho que não foram eles que mudaram, fomos nós que mudamos o jeito de olhar para eles”, afirma Luzia. Ela conta que foi possível descobrir vários talentos durante a preparação. “Parece que eles conseguiram canalizar toda a energia na atuação e participação do teatro. Foi muito bom.”

Participando pela nona vez, o tema deste ano “Cachoeira, o Rio de Joinville” já era familiar para a instituição. Isso porque a nascente do rio Cachoeira está localizada perto da escola, no bairro Costa e Silva. “Fizemos aula de campo para que eles tivessem mais contato e compreendessem o tema”, explica Luzia. Além da pesquisa realizada para a criação do teatro, as professoras contam que os estudantes fizeram uma visita à nascente.

Durante toda a semana, estudantes do Maternal ao 9º ano colocaram em prática no palco o que aprenderam durante o projeto. A noite dos campeões está marcada para o dia 29 de junho, a partir das 19 horas.

O Concurso Teatral Água para Sempre é uma realização da Companhia Águas de Joinville em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, Fundação Cultural e patrocínio da Caixa Econômica Federal.